Há emoções que, por muito que se queira, são impossíveis de guardar para cada um de nós. Quando o coração “fala” mais alto, não há como “silenciar” o que nos vai na alma. No dia 10 de março, data em que a Federação Portuguesa de Canoagem completou 40 anos, foi o que aconteceu na sessão solene comemorativa de aniversário, realizada na sede federativa, em Vila Nova de Gaia. Tratou-se de um momento repleto de emoções e afetos, mas também de história, recordações e reencontros da família da canoagem.

O primeiro momento alto da tarde prendeu-se com a homenagem aos seis fundadores da Federação Portuguesa de Canoagem: Rui Melo de Freitas, Rui Morais da Silva, Américo Magalhães, António Pereira, José Casimiro e Divaldo Vieira. “Selaram um compromisso de honra, que muito nos honra e que dura há 40 anos”, lembrou Vítor Félix, atual presidente da Federação Portuguesa de Canoagem. Porta-voz dos fundadores, Rui Melo de Freitas recordou a história e os “tempos difíceis” ultrapassados até à fundação.

A tarde seria recheada de momentos bonitos. É aqui que entra, também, a homenagem a antigos presidentes da Federação Portuguesa de Canoagem. José Ferreira da Silva, António Costa Gomes, José Cunha e Mário Santos foram agraciados pelo trabalho desenvolvido em prol da canoagem portuguesa. “A modalidade está hoje ao nível que ambicionava”, referiu José Ferreira da Silva, com José Cunha a assumir que vê com “grande entusiasmo” o crescimento da canoagem nacional. Após dizer ser “um apaixonado pela canoagem”, Mário Santos defendeu que “é uma modalidade que é a perfeita imagem do que pode ser o desporto”.

Nuno Gomes e Beatriz Gomes são embaixadores dos 40 anos

Não se ficaram por aqui as emoções da tarde, pois seguiu-se o tributo aos atletas. José Augusto Santos é, hoje em dia, um dos mais antigos atletas em atividade, razão pela qual a Federação Portuguesa de Canoagem homenageou na sua pessoa todos os antigos atletas. “A canoagem deu-me tudo. Somos mesmo uma família”, disse José Augusto Santos, destacando o “espírito de união”.

Por motivos particulares não esteve presente, mas José Garcia, que, entre outros feitos, conquistou a primeira medalha portuguesa num Campeonato do Mundo Sénior, foi homenageado como “representante” de todos os atletas olímpicos da modalidade. Fernando Pimenta e Emanuel Silva, duas das maiores referências da canoagem portuguesa e dois ícones do desporto português, alcançaram a única medalha olímpica da canoagem lusa e também entraram no lote de homenageados. Em estágio no México, Fernando Pimenta não marcou presença, mas Emanuel Silva lembrou: “Gosto muito do que faço. Quero sempre lutar por mais e melhor. A canoagem fez-me crescer”.

As comemorações dos 40 anos da Federação Portuguesa de Canoagem vão desenrolar-se ao longo de 2019. Na sessão solene, Vítor Félix anunciou Nuno Gomes (ex-futebolista), que teve a canoagem como primeira modalidade que praticou, e Beatriz Gomes (antiga campeã da canoagem e figura exemplar da modalidade) como embaixadores dos 40 anos. “Devo mais à canoagem do que o que possa ter dado à canoagem”, disse Beatriz Gomes, lembrando que, em 2019, também completará 40 anos.

Na pessoa de Ângela Alves, que trabalha, desde 2002, na Federação Portuguesa de Canoagem, a Direção homenageou todos os colaboradores. “Um mimo sabe sempre bem”, referiu Ângela Alves. Na sessão solene, a entidade federativa também prestou tributo a dois dos seus principais patrocinadores: o Nelo e os Jogos Santa Casa.

Secretário de Estado elogia “Federação verdadeiramente rara”

O desporto adaptado também foi lembrado pela Federação Portuguesa de Canoagem, com Vítor Félix a assumir que “a participação da paracanoagem em Tóquio 2020 é um sonho que se pode tornar realidade”. Presidente do Comité Paralímpico de Portugal, José Manuel Lourenço elogiou o facto de “a canoagem portuguesa ter tido um desenvolvimento sem precedentes”.

O Comité Olímpico de Portugal também marcou presença na sessão solene, tendo José Manuel Constantino lembrado os feitos alcançados pela modalidade, antes de assumir tratar-se de “um motivo de orgulho para Portugal”. Delegado do Norte do Instituto Português do Desporto e da Juventude, entidade que, referiu Vítor Félix, tem prestado “total apoio e confiança” à canoagem, Vítor Dias afirmou que “esta Federação é diferente”. “Nota-se pela qualidade”, reforçou. 

A finalizar a cerimónia, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto começou por referir que “ainda bem que estive aqui a presenciar este momento bonito”. João Paulo Rebelo disse sentir-se “enriquecido” por ter marcado presença na sessão solene, onde teve “direito a uma aula de história da canoagem”. O governante enalteceu os feitos alcançados pela canoagem em prol do desporto nacional, antes de terminar com uma certeza: “Esta Federação é verdadeiramente rara”.