Foi o futuro da canoagem que esteve em debate, em Aveiro, no congresso que assinalou o encerramento das comemorações dos 40 anos da Federação Portuguesa de Canoagem. Uma jornada de reflexão que reuniu os diversos agentes da modalidade, com o objetivo de abordar estratégias para que o futuro seja acompanhado de sustentabilidade e de massificação da canoagem, modalidade que, até ao momento, é a que apresenta mais atletas apurados para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Na sessão de abertura do Congresso Canoagem 2030, Vítor Félix considerou fundamental “debater os desafios e o que é o futuro da canoagem”, antes de elogiar “o trabalho e a dedicação dos atletas, treinadores, clubes, dirigentes e árbitros”. O presidente da Direção da Federação Portuguesa de Canoagem apelou ao “contributo de cada um para identificar oportunidades”, assumindo como fundamental “avaliar e definir, juntos, caminhos”. “Queremos, em 2030, subir a um patamar ainda mais elevado”, concretizou.

Em virtude de não poder estar presente por motivos de agenda, João Paulo Rebelo enviou uma mensagem por vídeo, onde deixou elogios aos “40 anos de história” da Federação Portuguesa de Canoagem, com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto a revelar que a canoagem é “um orgulho”. Por fim, o governante desejou “muitos anos de vida” à Federação Portuguesa de Canoagem.

Presidente da Câmara Municipal de Aveiro, Ribau Esteves destacou o “sucesso” alcançado pela canoagem ao fim de “apenas 40 anos”. O autarca sublinhou “o trabalho que está por trás de tantas vitórias”, acrescentando que “a canoagem ensina bem o que é a dedicação, a entrega e o trabalho”. “Atrás de tantos sucessos, medalhas e vitórias, está o trabalho de muita gente”, prosseguiu, defendendo o objetivo de “mobilizar mais gente para os desportos de água”.

Em representação do Comité Olímpico de Portugal (COP), Beatriz Gomes, canoísta que representou Portugal nos Jogos Olímpicos e é uma das principais referências da modalidade, revelou satisfação por “estar entre a família da canoagem”, confirmando as “elevadas expetativas” do COP em relação à canoagem para Tóquio 2020. Presidente do Comité Paralímpico de Portugal, José Manuel Lourenço elogiou “a política inclusiva” da canoagem, destacando os resultados alcançados por Norberto Mourão, paracanoísta já apurado para os Jogos Paralímpicos de Tóquio.