Subordinado ao tema “Contributos para a massificação desportiva”, o segundo painel do Congresso Canoagem 2030 juntou Rui de Carvalho, coordenador nacional do Desporto Escolar; António Vidal, presidente da APECATE (Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos); e Sandro Araújo, vice-presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo.

“A nossa tarefa no desporto escolar é, também, canalizar os nossos alunos para os clubes”, definiu Rui de Carvalho, que logo revelou que, a nível de Portugal continental, de norte a sul, existem “36 centros de formação desportiva de canoagem”. No caso da canoagem, assumiu que, por diversas razões, “é um grande desafio”.

Presidente da APECATE, António Vidal defendeu que “a massificação tem de ser sempre sustentada”, realçando, de seguida, que “o desporto e o turismo têm muitos fatores em comum”. “É preciso juntar sinergias e criar condições para o desenvolvimento das atividades”, prosseguiu, antes de apontar à necessidade de “apostar na massificação do lazer e da canoagem de lazer”.

Por sua vez, Sandro Araújo divulgou vários projetos desenvolvidos no seio da Federação Portuguesa de Ciclismo. O vice-presidente federativo assumiu que “o ciclismo para todos é o fermento da modalidade”, manifestando o desejo de “ver mais pessoas a praticar ciclismo, desde os mais novos aos mais velhos”.